Reforma da Previdência apavora quem está para se aposentar

A mudança é uma das prioridades do governo Temer e deve aumentar o tempo de contribuição dos trabalhadores. Especialistas estão divididos

Há uma semana, o servidor Marcos Machado procurou o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para dar entrada ao pedido de aposentadoria. Na verdade, esse não era o objetivo dele no início do ano, mas, desde que o presidente interino Michel Temer assumiu e colocou a reforma da Previdência em pauta, sua perspectiva mudou.

“Eu já tenho quase 40 anos de contribuição e, na última mudança que teve na Previdência, fui prejudicado. Já era para eu ter aposentado há cinco anos e não quis me arriscar dessa vez. Vou sair da ativa e seguir trabalhando porque estou com 55 anos, no auge da minha capacidade produtiva, mas tenho medo que depois tudo possa complicar”

Marcos Machado

Não é só Marcos quem está procurando antecipadamente o INSS. Por mais que Instituto tenha garantido não ter percebido um “aumento na demanda”, segundo o aposentado, a maioria dos amigos na mesma faixa etária também se preocupa com futuro.

“Mudanças vão sim acontecer, mas a principal discussão é como será o período de transição. Isso significa que deverá atingir em menor escala aqueles que estão mais perto de se aposentar. Quem já tem o direito não vai perder”, garante.

O analista de finanças públicas Fábio Klein entende que a reforma será gradual. “O que se sabe é que será aos poucos, respeitando aqueles que estão mais próximos da aposentadoria. Haverá uma regra de fração garantindo que quem está mais velho não seja tão prejudicado. Quem está na ativa vai sim ter de contribuir mais com o passar do tempo”, explica.

O que deve mudar?
Metrópoles conversou com os especialistas para entender o que deve mudar caso a reforma da Previdência seja efetivada. O presidente Michel Temer tem falado em entrevistas que a proposta do Executivo só será apresentada ao Congresso, para a votação, quando houver um consenso com a maioria dos parlamentares.

Mas encontrar esse consenso não será tarefa fácil. A proposta ainda não foi fechada e já enfrenta críticas do Partido dos Trabalhadores (PT) e de legendas de oposição, além das centrais sindicais. Isso porque, apesar de ter o intuito de diminuir o déficit da Previdência — que no fim de 2016 deverá chegar a R$ 200 bilhões —, as mudanças atingem o tempo de contribuição do trabalhador e aumentam a idade mínima para se conquistar o benefício.

“O tempo de contribuição precisa sim ser maior, porque atualmente o brasileiro se aposenta muito cedo. Hoje exige-se que a somatória entre contribuição e idade chegue a 85 para as mulheres e 95 para os homens. A tendência é que vá para 90/100, depois 95/105 e ir aumentando gradativamente. Outra coisa que se debate é igualar os critérios entre homens e mulheres”, explica Fábio Klein.

Para o professor Marthius Sávio a única certeza é: “Todos nós teremos que trabalhar mais ou contribuir mais”. Há ainda a intenção de alguns defensores da reforma de alterar os prazos de algumas categorias como professores e trabalhadores rurais.

Sem consenso
Até mesmo os especialistas discordam sobre a necessidade da reforma. Para o professor da UNB, a Previdência precisa ser um órgão de bem-estar social, que garanta dignidade às pessoas, e não uma instituição que busque lucro. “Eu particularmente sou contra, precisa-se de um mecanismo de gestão. Afinal, queremos algo social ou liberal?”, questiona.

Já o analista Fábio Klein afirma que, caso nada seja feito, o futuro dos aposentados do país pode ser comprometido. “Precisa sim fazer uma reforma, o déficit existe e vamos garantir que posteriormente tudo não entre em colapso. O aposentado precisa entender que quanto mais ele demorar para ter o benefício, maior é a chance de receber 100% do que ganhava durante a vida. O fator previdenciário (valor que reduz a aposentadoria para quem não atinge o tempo e idade mínimos de contribuição) pode tirar de 20 a 30% da renda do aposentado”.

FONTE: https://www.metropoles.com/brasil/reforma-da-previdencia-apavora-quem-esta-para-se-aposentar?gclid=EAIaIQobChMI87XBn6_h1gIViQeRCh3GYAktEAMYASAAEgLBKvD_BwE



Notícias Relacionadas

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *